Passar para o conteúdo principal

O que é o radão?

O radão é um gás radioativo de origem natural, incolor e inodoro. Provém do decaimento do urânio presente nas rochas e solos de onde é libertado e ascende à superfície.

 

Como o radão entra nos edifícios?

O radão entra nos edifícios, vindo do solo, através de fissuras e fendas.

No ar exterior as concentrações de radão são baixas devido à diluição e dispersão mas no interior de edifícios o radão pode acumular-se e as concentrações serem elevadas. As concentrações têm variações diurnas, sazonais e também anuais.

 

Quais são os riscos para a saúde humana devido à exposição ao radão?

A exposição ao radão é a segunda causa de cancro do pulmão a seguir ao tabaco.

O radão é a maior fonte natural de exposição das populações à radiação ionizante e contribui com mais de 40%. O radão produz partículas radioativas no ar que respiramos. Essas partículas ficam retidas nas nossas vias respiratórias e aí emitem radiação que provoca danos nos pulmões. Este dano aumenta o risco de cancro do pulmão para exposições prolongadas no tempo.

 

Como se faz a monitorização do radão?

A APA recomenda o uso de detetores passivos para a monitorização do radão.

Estes detetores são fáceis de usar e não necessitam de energia para funcionar. Basta colocar o detetor na divisão do edifício mais utilizada durante 3 meses. Após esse período, o detetor é analisado em laboratório e obtendo-se o valor da concentração anual de radão.

 

O que é o nível de referência?

O nível de referência para a concentração de atividade de radão é o nível acima do qual, se considera inadequada a exposição dos membros do público, ainda que não se trate de um limite que não possa ser ultrapassado. Em Portugal, o valor do nível de referência para habitações e locais de trabalho é 300 Bq/m3.

 

Quais são as recomendações para a monitorização do radão em locais de trabalho?

Ver Locais de trabalho.

 

O que é o Plano Nacional para o Radão?

A APA está a elaborar uma estratégia, o Plano Nacional para o Radão, que tem como base a proteção das populações e trabalhadores dos riscos associados com a exposição ao radão. Na elaboração desta estratégia, o mapa de risco é determinante na tomada de decisões e na identificação e priorização das atividades.

A elaboração do Plano Nacional para o Radão é uma obrigação legal da APA prevista no artigo n.º 150 do Decreto-Lei n.º 108/2018, de 3 de dezembro.

 

Em que consistiu a Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão?

A campanha decorreu em 2 fases: a fase de campo e a fase de laboratório.

A fase de campo foi dividida em 3 etapas: 1. colocação dos detetores nas habitações, 2. período de amostragem e 3. recolha dos detetores e envio para o laboratório.

A fase de laboratório foi dividida também em 3 etapas: 1. análise dos detetores, 2. tratamento e integração dos dados e 3. produção do mapa de suscetibilidade ao radão.

 

Porque foi realizada a Campanha Nacional de Monitorização do Gás Radão?

Para elaborar o mapa de suscetibilidade de exposição ao radão.

O radão está presente em todo o lado e normalmente as concentrações são baixas. Mas em algumas zonas as concentrações são mais elevadas devido principalmente à geologia. De forma a melhor ajudarmos e aconselharmos as populações e trabalhadores, necessitamos de saber quais as zonas onde existe um maior suscetibilidade de exposição ao radão. A melhor forma de delimitar essas zonas é através da elaboração de um mapa de suscetibilidade nacional.