Época Balnear 2020

Divulgação > Época Balnear 2020

Foram identificadas em Portugal 620 águas balneares, sendo que 489 são no Continente, 75 na Região Autónoma dos Açores e 56 na Região Autónoma da Madeira. Esta identificação foi realizada através da Portaria n.º 136/2020, de 4 de junho (alterada pela Portaria n.º 139-A/2020, de 12 de junho), que procede à identificação das águas balneares, costeiras, de transição e interiores para o ano de 2020 bem como à qualificação, como praias de banhos, das praias marítimas e das praias de águas fluviais e lacustres, em território nacional e à fixação das respetivas épocas balneares para o ano de 2020.

 Chapeu_Toalha_Chinelos

As zonas balneares costeiras, de transição e interiores têm características muito diversas e constituem espaços lúdicos socialmente muito importante sendo visitados por milhares de pessoas todos os anos.

No atual contexto da pandemia por COVID-19, foram definidos procedimentos a ter em consideração na utilização destes espaços, de forma a não colocar em risco a estratégia adotada no controlo da pandemia, e permitir a todos ir à praia em segurança.

Para tal e tendo por base o Decreto-Lei n.º 24/2020, de 25 de maio foi elaborado o manual com as linhas orientadoras para implementar o regime excecional e temporário para a ocupação e utilização das praias, no contexto da pandemia por COVID-19

O novo Coronavírus (SARS-CoV-2) pode ser contraído por contato direto através da exposição de secreções respiratórias (tosse e espirros) de uma pessoa infetada, e por contacto indireto, através de gotículas expelidas para as superfícies. Na ida à praia o risco mantém-se. Assim:


Antes de ir à praia: Verificar a afluência às praias próximas, consultando a app InfoPraia, preferindo as que estão com um nível de ocupação mais baixo, assinaladas a verde, bem como praias vigiadas e com controlo da qualidade.

 

Quando se verificar um nível elevado de ocupação não arriscar deslocação, pois pode ser difícil manter a distância de segurança.

A mesma informação pode ser consultada na versão web através do link  http://infopraia.apambiente.pt

 Telemov_Infopraia
Figura_bandeiras

Nos acessos à praia: Usar calçado, circular sempre pela direita e seguindo as indicações que possam existir no chão e mantendo a distância de 1,5 m dos outros utentes que não pertençam ao mesmo grupo

Passadeira


Na praia: Preservar a distância de segurança (1,5 m) aos outros utentes, na praia, à beira-mar e no banho

  Distancia_Banho

 Dist_Chapeus

 Distancia_Toalhas 



Na praia: é proibida a prática de desportos de grupo (jogar à bola, raquetes, vólei, …).

Nao_BolaNao_raquete

 

No bar da praia, instalações sanitárias: Usar calçado, desinfetar as mãos e manter a distância de segurança.

Assegurar o cumprimento das recomendações definidas pela DGS por parte de trabalhadores e utentes

  Cuidados_Bar



Na saída da praia: não deixar resíduos nem beatas na praia, devendo ser acondicionados e colocados nos contentores respetivos (máscaras e luvas são sempre depositados nos contentores de lixos indiferenciados

 Nao_Lixo


Na barra lateral esquerda pode escolher uma região para consultar informação sobre as águas balneares identificadas nomeadamente os Perfis de Águas Balneares que contêm a sua caracterização.

segurança depende em primeiro lugar de cada um dos banhistas que deverá observar a informação e sinalética existente nas praias. Deve seguir sempre as instruções dos nadadores salvadores e frequentar os locais com controlo da qualidade da água e observar as regras de proteção pessoal.


Para mais informação sobre águas balneares, nomeadamente os resultados das análises relativos às campanhas da época balnear 2020, consulte a página do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos - SNIRH aqui.

 

Capacidade das praias em contexto COVID-19

A determinação da capacidade das praias em contexto COVID-19 é um exercício complexo, podendo conduzir a regras difíceis de conceber, de observar e de cumprir.

No seguimento do decreto-lei n.º 24/2020, de 25 de maio, e a partir de um conjunto de critérios que conjugam a dimensão do areal, a influência de marés, as regras de distanciamento e de segregação de acessos, a capacidade de estacionamento, e ainda alguns fatores específicos associados ao risco costeiro (p. ex. existência de arribas), a APA está a apurar a capacidade das praias. Os critérios adotados para a determinação da capacidade das praias são:

1. Águas costeiras e de transição

  1. Definição da área de areal utilizável para a prática balnear com a profundidade possível, considerando as características biofísicas e faixas de salvaguarda ao risco costeiro e, tendo como referência, o limite lateral das praias definido nos POOC/POC;
  2. Avaliação das condições morfológicas e oceanográficas das praias para identificação daquelas em que a influência da maré condiciona significativamente a utilização do areal e determinação do respetivo diferencial de área;
  3. Utilização de uma área de 8,5 m2/pessoa, considerando o distanciamento físico necessário por razões sanitárias;
  4. Em praias não urbanas, ponderação dos valores obtidos face aos equipamentos e infraestruturas existentes, em particular o estacionamento, e à sensibilidade ambiental da envolvente da praia;
  5. Identificação das praias de uso limitado, em que a área utilizável é fortemente condicionada por faixas de salvaguarda ao risco costeiro associadas a arribas ou acessos.

 2. Águas interiores

  1. Definição da área utilizável para a prática balnear, considerando a extensão da frente da zona balnear e uma faixa com a profundidade passível de utilização contada a partir do limite do plano de água;
  2. Incluem-se, também, nesta área os espaços envolventes disponíveis para o uso balnear, como sejam: parques de merendas, esplanadas, relvados, campos de jogos e piscinas com plataformas flutuantes para permanência.

Em contexto COVID importa garantir a distância de segurança, o que pode implicar a redução da capacidade de ocupação do areal em determinadas praias. Contudo, em algumas  praias, em particular nas de grande dimensão,  os valores agora obtidos podem ser superiores à capacidade de carga definida nos POOC/POC, tendo em conta que, nas atuais condições, os utilizadores estão mais disponíveis para ocuparem uma área de areal que ultrapassa os limites das áreas de conforto, consideradas no POC.


Estas capacidades são um importante auxiliar para a gestão e utilização segura das praias, pois é a partir destes valores que pode ser dada informação - ao cidadão e às autoridades - de modo a direcionar os devidos comportamentos, de uma forma responsável.

O despacho da APA relativo à capacidade potencial de ocupação das praias nas regiões hidrográficas do Algarve e do Tejo e Oeste está disponível aqui.

O despacho da APA relativo à capacidade potencial de ocupação das praias nas regiões hidrográficas do Norte, Centro e Alentejo está disponível aqui.

 

 

 Resumo Mensal da avaliação da Qualidade das Águas Balneares

Sistematização mensal das ocorrências detetadas nas águas balneares, incluindo os desaconselhamentos e interdições, caso ocorram.

Resumo relativo ao mês de Junho - Qualidade da água balnear

Resumo relativo ao mês de Julho - Qualidade da água balnear